25 agosto 2009

Estudos sobre a tristeza - cap. 2: da sensação de não-pertencimento

A MENINA TORTA

Dizem que foi no parto. A posição estava complicada e ela teve que sair à fórceps. E quando saiu, já saiu torta. E do jeito que nasceu, ficou. Cresceu. Demorou pra aprender a sentar, a aprender a andar, a aprender. A falar, nunca. Não que não lhe fosse necessariamente possível, apenas porque o que tinha a dizer não parecia fazer o menor sentido. Porque pra ela o mundo era torto. Todo mundo era, menos ela — o que a levou a concluir que era seu o problema. Ela era torta, não burra.

Seus pais, desde que perceberam a situação, ou seja, muito cedo, tentaram fazer de tudo para desentortá-la. Operações plásticas, medidas drásticas, terapias de curta, média e longa duração — e ela parecia estar sempre fora de lugar. Aí eles tiveram a perspicácia (ou falta de uma) de parar de tentar desentortá-la e tiveram a idéia (ou falta de uma) de entortar o mundo ao seu redor, para ver se pelo menos ela se sentia menos torta.

Então, veio um arquiteto com fama de torto pra entortar as coisas. E os designs pareciam ser todos sob medida. Animados que estavam com o resultado, os pais simplesmente encaixavam a menina em tudo que era móvel torto, de tudo que era jeito. E nem perceberam direito que a menina permanecia torta, mesmo entre coisas tortas.

O arquiteto, entusiasmado com as possibilidades criativas, resolveu construir uma casa torta para a menina. Escolheu uma encosta junto a um precipício, e projetou uma casa calculando a angulação exata de entortamento, de modo a preencher perfeitamente as necessidades da menina. E a casa ficou lindamente torta.

Acontece que o coeficiente de entortamento da casa estava quase correto, não fosse por um valor negativo em relação ao coeficiente da menina. E a menina, ao tentar pular para dentro de casa, terminou caindo no precipício.

O que poderia ser um final trágico para a menina terminou tendo um efeito torto: ao cair, a menina se sentiu, nos seus últimos momentos, totalmente consertada. E ao se tornar um fantasma e ficar morando entre o limbo da existência e as brechas dimensionais, ela curiosamente passou a se sentir em casa.

E hoje a menina é um fantasma não-torto e feliz.

12 Comments:

Blogger zevieira said...

gostei muito da premissa e da apresentação nos dois parágrafos iniciais, mas o desenvolvimento e o final não foram tortos o bastante para impressionar... ideia boa que merecia ir mais longe.

2:22 PM  
Blogger Serejo said...

Eu gostei!
A dinâmica do conto me levou a construir muito bem a imagem em minha cabeça.
O que mais gostei é que (pelo menos pra mim) o final é feliz.

3:22 PM  
Blogger K. Assad said...

Léo, gostei muito.Não sei se é porque eu só penso nisso ultimamente mas acho que daria um livro infantil muito lindo. Comecei logo a imaginar as ilustrações... bjs

8:41 PM  
Anonymous Carol said...

Adorei o texto.
Daria um ótimo curta de animação! O livro infatil também ficaria bacana.
:D

9:44 AM  
Blogger Aquela Que Escreve said...

lendo isso eu percebi o meu problema... vou tentar não pular, pra não cair no precipício.

5:19 PM  
Anonymous Anônimo said...

Adorei o conto, é gostoso de ler. Só que achei o precipício sugiu na história de forma estranha, fora de contexto.

12:18 PM  
Anonymous Erianne said...

Bota isso em Video cara! urgente!

10:09 AM  
Blogger ana claudia said...

"E a casa ficou lindamente torta..."

Frase linda, texto lindo... é muito triste pensar que ela se foi, mas só em imaginar o seu sorriso torto por saber que agora está em paz... foi assim que a vi no final e o meu suspiro foi de alívio.

6:56 PM  
Anonymous Roberto Menezes said...

O anjo torto se transformou na sua verdadeira essência : um anjo torto. O surrealismo da personagem e das situações me passou a sensação de que os métodos para enquadrar "pessoas tortas" dá sempre no precipício. Aí, o "torto" se liberta pela loucura ou pela morte.

1:33 PM  
Blogger Mayra Meira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

6:29 PM  
Blogger Mayra Meira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

6:31 PM  
Blogger Raíza Hanna said...

Este conto é ótimo, e me lembrou deveras este escrito por mim:
http://poramorporbesteira.blogspot.com/2009/07/ana-cronico-garota-relogio.html

:*

7:51 PM  

Postar um comentário

<< Home

Creative Commons License
Leitor Ótico by http://leitor-otico.blogspot.com is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.